quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Madame Insana


Não sou suave, nem calma...
não sou a brisa morna que te afaga
sou a tempestade que surra sua face!!!
Sou a dúvida... os erros, os acertos,
a agonia... a febre...
as perguntas sem respostas...
sou a loucura dos seus atos...

sua antítese...
seu riso insensato...
seus passos largos...
suas desculpas... seus desvarios
sua luxúria... seu pecado!

Sou seu caminho complexo, desconexo...
as luzes vermelhas... a bebida e a madrugada...
sou o tom de carmim na cama...
na boca... no corpo...
na alma...

Sou eu...
seu livre arbítrio
Sua madame insana!!
Sua senhora... 
Liberdade!


Por Mary Paes Santana



7 comentários:

  1. Caraca, que lindo esse poema, Mary!!! Muito louco e bem a sua cara!!

    Parabéns!

    xD

    Ah, dá uma olhada nos meus blogs: cantodalianah.blogspot.com e criticamapaense.blogspot.com

    Bjinhos.

    ResponderExcluir
  2. Um poema forte, livre, sedutor e lindo.Beijos

    ResponderExcluir
  3. CONVITE
    Tenho um página muito simplória na internet, aonde escrevinho alguns pensamentos, poemas, poesias ou mesmo textos diversificados. Não seria um blogue. Um blogue, é mais complexo, mais completo, mais colorido. Ainda assim, estou a lhe convidar a ir até lá, visitar-me, e se possivel seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato, esperando por Você.
    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Muitos não compreendem ou conseguem desfrutar a agradável companhia dessa nobre dama.
    Gostei bastante.

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito. A personificação da liberdade por meio de um lindo jogo de contraposição a um sujeito que está estabelecido. Ou seja, a liberdade está em tudo que ele não é. Por isso a liberdade aqui é a antítese, a tempestade, tudo que o desafia.

    ResponderExcluir